Recomendações

(676)
Júlia Abagge de Macedo França, Advogado
Júlia Abagge de Macedo França
Comentário · há 7 meses
Aí que tá. Acreditar que quando os outros precisam não existe Direitos Humanos é, novamente, não saber o que são DH.
Os DH estão em todos os âmbitos da vida daquela pessoa. Resumir uma coisa tão grandiosa somente ao âmbito criminal é extremamente simplista.
A pessoa não precisa de boas condições de trabalho? Pois isso faz parte dos Direitos Fundamentais (Direitos Humanos) , que se manifestam através da CLT (não perfeitas, ok - temos inúmeras falhas)
A pessoa não precisa ter o direito ao processo? Pois é - adivinha o que é isso? Direitos Humanos.
A pessoa não precisa ter privacidade? Saúde? Todo o conforto da vida do cidadão que na verdade é visto hoje como algo "normal", é na verdade, Direitos Humanos.

O problema é que ninguém sabe desvincular e ver como é - um ramo do Direito - um conjunto de normas e princípio.
Dizer que não existe direitos humanos pra quem é vítima de algum crime é equivocado e simplista.
Sim, sabemos que não é como queríamos que fosse - infelizmente o Estado tem muita dificuldade em, muitas vezes, punir os culpados.

Outro ponto é dizer que existem "tantos defensores de criminosos" e que eles não são esquecidos, enquanto as vítimas são.
Para você ter ideia, por conta das chacinas nos presídios, uma das propostas do Governo para conter novos casos de violência é que o Juiz, ao notar superlotação nas cadeias, cheque os presos que já cumpriram suas penas mas foram esquecidos e continuam presos - e então, os libere. Mas isso, claro, só depois de notar a superlotação. Em outros casos, tanto faz se o preso já cumpriu sua sentença.

O que acontece não é que existem "muitos" defensores de criminosos. O que acontece é que o povo não quer que exista nenhum, e que os criminosos apodreçam para sempre na cadeia.

Também, não é que "não existem defensores da sociedade". A Sociedade é defendida a todo momento. O problema é que infelizmente nosso sistema ainda é jovem e extremamente falho.
Júlia Abagge de Macedo França, Advogado
Júlia Abagge de Macedo França
Comentário · há 7 meses
Sua resposta pegou trechos do texto, como direito a vida e direito as diferenças e disse "é, mas acontece".
Quer dizer então que você acredita realmente que um direito tem poder de fazer com que as pessoas deixem de matar ou de serem preconceituosas? Em nenhum País do mundo a taxa de criminalidade é zero.
O problema que você está apontando não é sequer do direito. É uma questão de educação. Uma população que acredita que matar aqueles que não agradam (os que cometem atos ilícitos, por exemplo) realmente acha que nenhuma outra pessoa no país vá fazer o mesmo, apenas por ser "contra as regras"? Uma população que classifica pessoas como "animais" por terem feito coisas erradas realmente espera que todos respeitem as diferenças, e que não exista preconceito?

Os Direitos Humanos garantem SIM isto na prática. Não garantem com 100% de eficácia, mas NENHUM direito garante, infelizmente. O Direito Civil garante? O Penal? O Trabalhista?
O problema é que, com Direitos Humanos trabalha-se com a defesa de todos os seres, e infelizmente, o que acontece hoje é essa vontade de "vingança" estatal, que na história jamais funcionou.
Me pergunto se as pessoas acham que a Lei de Talião caiu por que um belo dia falaram "ah, chega, to entediado, vamos mudar?".
Não. Caiu porque a sociedade em si começou a decair, uma vez que não se tinha mais número suficiente de pessoas aptas ao trabalho e à manutenção da sociedade. Caiu porque não funciona. Caiu porque não é útil a sociedade apenas saciar um desejo macabro de ver o outro sofrer.

Obviamente todos merecem ser punidos, mas o que pedem é algo que vai contra qualquer utilitarismo de pena.

Talvez realmente devessem "mudar" os Direitos Humanos para a sociedade notar valorizar o que tinha e nem sabia.
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

ANÚNCIO PATROCINADO

Outros perfis como Francisco Luiz

Carregando

Francisco Luiz Macedo Jr.

Entrar em contato